domingo, 28 de agosto de 2016

Dez razões para ver e se apaixonar por Palermo

 Dez razões para ver e se apaixonar por Palermo

Se uma cidade é tão fascinante quanto a sua bagagem cultural, prepare-se para ver Palermo, cidade que nasceu sobre uma terra extremamente fértil, em uma ilha maravilhosamente mediterrânea, onde povos arcaicos caminharam desde o terceiro milênio antes de Cristo; cultivaram esta terra, pensaram, escreveram, fizeram amor, fizeram a guerra, construíram e destruíram muralhas e palácios.

Palermo é o resultado de mais de 4 mil anos da presença humana neste território que faz com que esta cidade seja um dos cantos mais fascinantes desta terra. Palermo, como toda a Sicília, se apresenta hoje à nós como cidade grega, onde após à dominação romana (254 a.C.-491 d.C.), o próprio cônsul era obrigada a deixar o latim de lado para interagir com o governo local.

Além da forte presença grega, Palermo vai ter outras influências sob os domínios bizantino, árabe, normando, svevo, angioino e espanhol, até chegarem os austríacos e os Bourbons.

E o que nós podemos ver do resultado desta imensa e maravilhosa história?

Eu, no dia do meu aniversário em 2015: no Etna

O que ver em Palermo:

 Primeira parada: vamos começar das belezas naturais, miha escolha é o Etna, que com seus minerais deu à essa terra a fertilidade necessária para que este povo incrível inventasse as mais deliciosas receitas que um cardápio poderia sonhar!

Comemorar meu aniversário no alto deste vulcão maravilhoso e potente foi o que desejei no ano de 2015. E aqui estou em, em Novembro, subindo o vulcão. Foi uma grande emoção, um desejo realizado de cujas memórias levarei sempre comigo!

Segunda parada: correndo, à Capela Palatina!
Localiza-se no primeiro andar do Palácio Real, entre os pátios Maqueda e o pátio da Fonte.
Apesar das suas dimensões não se distacarem por serem enormes (32m de comprimento), a planta basilical em cruz latina funciona em maneira perfeita, com a planta em cruz grega do batistério.

Aí o lance é olhar para o alto, para ver os maravilhosos mosaicos bizantinos que com seu fantástico equilíbrio de cores e luzes que têm a clara intenção de nos envolver em um clima fortemente místico. O plano iconografico da cúpola glorifica o Cristo Pantocrator, ou Cristo Onipotente e no arco do triunfo, vemos uma maravilhosa Anunciação com o Anjo Gabriel à esquerda e Maria à direita.

mosaicos bizantinos

Mosaicos bizantinos

Nos arcos do transepto, temos profetas, santos e santas, e cenas da vida de Cristo. Segue aqui embaixo a "Entrada em Jerusalém", da parede do lado Sul.

Capela Palatina

 Na nave central, temos o Antigo Testamento, com temas que vão da "Criação" à "Luta de Jacó com o Anjo".

Capela Palatina

Agora, isso tudo sem falar da loucura que é o teto árabe da Capela Palatina que rompe com a tradição cristã e permanecerá uma  mistura ú-ni-ca no Mediterrâneo!

Teto esculpido em madeira, Capela Palatina

Terceira parada: pertinho do Palácio Real, não podemos perder o Duomo de Palermo, qualquer coisa como um escândalo de construção típica palermitana: na Baixa Idade Média tinha uma basílica cristã, que foi transformada pelos árabes numa mesquita, mas que no período normando foi transformada de novo em uma igreja, consagrada antes de ser terminada em 1185.

Duomo de Palermo

Duomo de Palermo de noite

Durante o século XIV a construção sofreu influências do gótico catalão (portões, arcos e nervuras); e  aí está: à geometria pura dos normandos foram adicionados os luxuosos detalhes do gótico florido.

No século XVIII, o nosso velho conhecido de obras em Roma (Santa Maria Maior e Sant'Apollinare), Ferdinando Fuga, mudou a planta da igreja em uma cruz latina e adicionou a cúpola.
Igreja, mesquita, normandos, igreja e cúpola... ficamos sem palavras! 

Quarta parada: então, já que estamos perto do Duomo de Palermo, não dá para não entrar na Capela de São Cataldo, cuja arquitetura nos atrai como um imã para dentro das suas paredes (Patrimônio UNESCO desde 2015 - "Itinerario Arabo-Normanno di Palermo, Cefalù e Monreale"!

Construída em 1154, possui arquitetura con claras características islâmicas com 3 cúpolas vermelhas que fazem um maravilhoso contraste com as rochas arenárias claras, veja isso!

São Cataldo, Palermo
Foto de palermodintorni.blogspot.it
 
São Cataldo de noite, Palermo

O interior exprime a sua beleza através da sobriedade normanda: nenhum afresco, somente um crucifixo pendurado sobre o altar; este é feito em mármore e decorado com o Agnus Dei no centro e os símbolos dos evangelistas nos quatro ânegulos de uma cruz imaginária; o jogo de arcos que sustentam as cúpolas, representação do céu.

Interior de São Cataldo, Palermo

Jardim Duomo Palermo
Lateral do Duomo de Monreale

Quinta parada: ver o pátio e o Duomo de Monreale, pérola da arquitetura normanda com mosaicos bizantinos e pórtico barroco, é um jeito de estar no coração de Palermo e das suas misturas culturais.

Duomo de Monreale

A lenda nos conta que a catedral foi erguida após um sonho de Guilherme II da Sicília, da família Altavilla, onde a Virgem lhe contava que tinha um tesouro sobre o local onde ele estava dormindo, embaixo de uma árvore de alfarroba. Ela pedia a ele desenterrar o tesouro e construir um templo em sua homenagem. O rei mandou cavar e de fato encontrou moedas de ouro e iniciou a magnífica construção.

Pátio do Duomo de Monreale

Colunas do Pátio do Duomo de Monreale

Difícil um pátio tão lindo quanto este: as colunas de mármore são todas decoradas, uma diferente da outra, com pasta de vidro colorida. Os capitéis são uma raridade e, neste tema, os mais lindos que vi na vida: esculpidos com flores, frutas ou passanges da bíblia ("capitéis historiados").

Mosaicos bizantinos na nave central do Duomo de Monreale

E o que dizer do interior do Duomo?! Simplesmente não há palavras para descrever tanta beleza. A nave central conta estórias do Antigo e Novo Testamento. As cenas que mais me marcaram foram a multiplicação dos pães e a hemorroíssa, uma cena do Novo Testamento que gosto muito e que raramente vi representada em igrejas.

Sexta parada: bom, quem acompanha o blog sabe que estudei Arte Plásticas na Alemanha, e exatamente por essa razão vim parar na Itália, isto é, pelo amor que os alemães têm por este país. Como não visitar o Jardim Botânico onde Goethe fez questão de vir na sua viagem à Itália em 1787, para procurar a sua Urpflanze?! Eu não sou louca nem, nada, e lá fomos nós.

Entramos como loucos atrás da grande Figueira da Austrália, Ficus macrophylla, símbolo do Jardim Botânico de Palermo. É realmente um esplendor de árvore, importado das Ilhas Norfolk em 1845. 

Jardim botânico de Monreale


A história do Jardim Botânico é curiosa, pois a intenção da sua criação era de cultivar plantas medicinais para a saúde pública!

Jardim botânico de Palermo

O "Aquarium", grande bacia para as plantas aquáticas foi inaugurada em 1798.

Escultura e estuda no Jardim Botânico de Palermo

A estufa "Maria Carolina", construída em 1823. Desde 1923 o Jardim Botânico faz parte da do Departamento de Botânica da Universidade de Palermo.

Sétima parada: Igreja de Santo Agostinho.
Maravilhosa fachada da época normanda-sveva-angioina com rosácea e brasões da importante família Chiaramonte e Sclafani. O choque é entrar nesta igreja e se deparar com capelas barrocas e túmulos renascentistas.

Igreja de Santo Agostinho, Palermo

Interessante a reforma feita durante o século XVII pelo Serpotta, que foi  inseriu lesenas entre as capelas e realizou esculturas das virtudes franciscanas: a Fé, Humildade, Mansidão, Modéstia, Verdade, Justiça, Teologia, Caridade. No seu interior, um lindo São Jorge de Antonello Gagini (1526).
Curiosidade: em dialeto siciliano "serpe" significa lagartixa, e foi com uma lagartixa que o artista afirmou a sua autoria na segunda alegoria à direita.

Focaccia, comida de rua em Palermo

Na praçinha na frente desta igreja comemos fantásticas focaccie na Antica Focacceria San Francesco: ambiente romanticamente conservado dos anos '50, ótimos preços e prato feito com amor. Aqui passaram nossos ídolos sicilianos, os juízes Falcone e Borsellino.

Oitava parada: San Domenico, flores para o juiz brutalmente assassinado. Quando fiz meu primeiro curso de italiano, na noite dos tempos, aprendi o ABC da cultura contemporânea italiana, isto é, aprendi a idolatrar Giovanni Falcone e Paolo Borsellino. Nesta minha última ida à Palermo, não pude deixar de fazer uma pequena homenagem a este grande personagem palermitano!

Na Capela de San Giuseppe, um fantástico barroco palermitano!

Igreja de São Domenico, túmulo de Giovanni Falcone


Capela com o típico barroco palermitano na São Domenico


Aqui a dica é dupla, pois além da beleza da igreja com a fachada barroca, estamos praticamente atrás do famoso mercado da Vucciria, atrás da Piazza Garraffello, onde compra-se peixe e comem-se sanduíches feitos na hora.

Nona parada: Monte Pellegrino. Se você for das caminhadas e trekkings, pode subir o Monte Pellegrino (definido por Goethe como o "monte mais lindo do mundo") e ir visitar a "Santuzza", ou Santa Rosalia, lugar de culto mais importante de Palermo. Ar puro e vegetação mediterrânea, fantástica vista sobre a baía. A subida pode ser feita do lado da Addaura, onde encontraram pinturas pré-históricas em cavernas!


Décima parada: Gênio de Palermo. Essa é uma pegadinha! Não é um "monumento" em um lugar específico; vão ter vários, mas não muitos, dos Gênios de Palermo durante as tuas caminhadas. São exatamente seis as figuras que representam esta estranha figura com coroa e serpente que parece morder o peito da figura masculina.

Ela representa a alma de Palermo, o protetor da cidade, figura sem dúvida ligada a antigos cultos pagãos que nunca foram completamente apagados!
Tentamos delinear o seu significado, mas o fato é que ela permanece um mistério entre os tantos da cidade!

Escultura do Gênio de Palermo

Para fazer um tour na Itália com guia em português não hesite em escrever para Guia Brasileira em Roma para pedir seu orçamento.

Mais sobre a Sicília: 

Comida na Sicília, uma pequena introduçãohttps://guiaderoma.blogspot.de/2015/08/o-que-e-que-sicilia-tem.html

Palermo: https://guiaderoma.blogspot.de/2016/08/se-uma-cidade-e-tao-fascinante-quanto.html

Selinunte: https://guiaderoma.blogspot.de/2016/10/selinunte-grecia-aqui-na-sicilia.html

Catâniahttps://guiaderoma.blogspot.de/2015/08/o-museu-arqueologico-de-siracusa.html

Siracusahttps://guiaderoma.blogspot.de/2015/07/especial-sicilia-siracusa.html

Museu Arqueológico de Siracusahttps://guiaderoma.blogspot.de/2015/08/o-museu-arqueologico-de-siracusa.html

Trapani:  https://guiaderoma.blogspot.de/2015/08/trapani-o-sal-e-o-vinho.html

Aqui o post sobre Ginostra, uma cidadezinha que fica em Strombolihttps://guiaderoma.blogspot.it/2015/04/ginostra-na-sicilia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário